02

COMO DETECTAR OS PROBLEMAS EM SUA EMPRESA?

Muitas vezes o empresário se encontra envolto em uma quantidade enorme de problemas em sua organização, que tem a sensação de estar constantemente “apagando incêndios”.  Resolve uma questão aqui, aparece outra ali, passa o dia, passa a semana, passa o mês e ele tem a impressão de estar sempre tentando resolver as mesmas questões. A empresa cresce, contrata mais pessoal, o faturamento aumenta, mas ao final de cada mês o lucro não aparece.

Vários podem ser os motivos para a empresa se encontrar nessa situação. Crise nos mercados financeiros mundiais, carga tributária altíssima, instabilidade de nossa economia, alta rotatividade de colaboradores, baixa qualificação de mão-de-obra, alta do dólar, controles internos deficientes, contabilidade (terceirizada ou não) desatualizada e sem estrutura, divergências entre os sócios etc.

Por isso, a decisão de realizar um Diagnóstico da empresa ocorre normalmente, quando já se está envolto por um emaranhado de problemas graves, cujas soluções são emergenciais. São raras as vezes que esse trabalho emerge como estratégia gerencial no bojo de um planejamento do negócio, a fim de se detectar rapidamente eventuais transtornos existentes e resolvê-los rapidamente, antes que afetem outras áreas da empresa. Afinal, uma empresa mergulhada em apuros terá, invariavelmente, maiores dificuldades em adotar as medidas saneadoras necessárias, vez que muitas delas exigem investimentos financeiros.

Fica claro, portanto, que a utilidade desse trabalho não é específica de empresas em crise. Muito pelo contrário, serve o mesmo para evitar que a crise se instale pela perpetuação dos problemas. Pode-se dizer que é um verdadeiro “check-up” da empresa, conferindo ao gestor uma visão global do negócio, posto que diagnostica as mais variadas hipóteses de inadequações eventualmente existentes, apontando as alternativas para sua regularização. Desse modo, é um instrumento insubstituível para colocar em relevo toda desarmonia na estrutura da empresa ou entre a empresa e a realidade político-sócio-econômica em que está inserida.

O Diagnóstico é, portanto, um instrumento indispensável para a implementação de uma gestão estratégica da empresa, moldado a partir de técnicas gerenciais de primeira ordem, ainda que a empresa venha apresentando resultados satisfatórios. Isto porque, em muitos casos, os resultados positivos podem estar funcionando como uma cortina de fumaça, camuflando deficiências, que, se não identificadas e eliminadas rapidamente, podem acabar por comprometer aqueles resultados, ou, ao contrário, se eliminadas, podem representar um incremento do mesmo, tornando-o ainda mais satisfatório.

Em virtude de ter realizado uma grande quantidade de Diagnósticos em várias empresas de diversos segmentos, posso afirmar que esse instrumento não se limita a uma avaliação técnica, que responda a questões pontuais com a profundidade de um especialista, como contabilidade, marketing, vendas, logística etc. Trata-se de um procedimento que habilita o empresário a obter uma visão global, clara, simples e precisa do conjunto do seu negócio. Não se adota aqui soluções já prontas, empacotadas ou milagrosas. Para se chegar a apontar diretrizes, se analisa e se discute antes com todos os responsáveis envolvidos. Enfim, se faz um estudo prévio por meio de uma abordagem direta, profunda e eficaz, adequada ao objetivo a ser alcançado.

Paulo Rocha

Paulo Rocha

Gerente Comercial